domingo, 10 de junho de 2012

Leilão de antigos tem carro de até R$ 400 mil em MG.



Proprietário recusou R$ 140 mil pela primeira Ferrari V8 com espaço para quatro pessoas. Encontro reúnes altos executivos do país em busca de modelos raros.O tempo para um bem valorizar de R$ 250 mil para R$ 380 mil é de pouco mais de 1 minuto. Ao menos em Araxá, no mais sofisticado encontro de carros antigos do Brasil, realizado a cada dois anos no interior de Minas Gerais.
O evento reúne centenas de carros raríssimos e os mais alto executivos de empreiteiras, empresas de alimentação, fundos de investimento e até mesmo de montadoras para o mais tradicional leilão de carros antigos do Brasil.

Mais de 100 unidades foram inscritas sob o valor de R$ 300 nesse ano. Cada uma fica cerca de 10 minutos na passarela, onde aproximadamente mil pessoas assistem e dão lances. Para sentar ali basta pagar R$ 30 e tomar água e whisky à vontade. Um empolgado narrador mineiro dá o clima de festa, com gritos de “quem dá mais” nos microfones. Sete meninas postadas diante da platéia ajudam a captar os lances dos compradores que dificilmente descem para ver o carro de perto. Isso mesmo! Pagam de R$ 16 mil até R$ 400 mil sem sequer chegar perto do carro.

Bel Air foi arrematado por R$ 65 mil. Já Kombi de 1961 não saiu por R$ 35 mil
Na passarela estão desde os populares Fusca e Voyage até edições raras de Ferrari Dino, Ford Maverick e Ford Thunderbird. Um Fusca de 1969 bateu os R$ 11 mil, mas o proprietário não passou. Paulo Roberto Maciel, de Belo Horizonte (MG), teve mais sorte: adquiriu um Chevrolet Bel Air 1961, arrematado por R$ 61 mil. “Vim para comprar um Pontiac, mas quando vi as linhas desse carro fiquei apaixonado. Gosto de carros com motor V8 e de cor branca”, explica. O que motivou a compra? “A empolgação, o coração acelera demais”.
Já o colecionador Daniel Rocha, de Contagem (MG), não atingiu o valor esperado na Kombi 1961 que era de seu avô. “Freqüento leilões de gado que são mais emocionantes. Aqui me ofereceram R$ 35 mil, mas não dava, quero R$ 45 mil nessa Kombi, é muito inteira”, explica. Assim como ele, a maioria dos vendedores são colecionadores especialistas em compra e venda de carros antigos, vindos de todo o Brasil.

Thunderbird 1956 foi um dos carros mais caros da noite, arrematado por executivo por R$ 380 mil
Um Ford Maverick GT 1974 não saiu por R$ 110 mil, assim como o dono de um Ford Modelo A 1929 recusou R$ 48.000 por sua jóia. O proprietário de um Voyage 1993 com 22 mil quilômetros queria R$ 17 mil, mas passou o sedã por R$ R$ 16 mil. Já Tadeu Valente, dono de um Puma 1978, o carro mais rodeado na passarela enquanto Autoesporte acompanhou o leilão, não fechou negócio por R$ 2 mil. “Eu queria R$ 30 mil e só chegou a R$ 28 mil, mas isso não interessa. Esse é um clássico nacional”, orgulha-se.

Oferta por Maverick chegou a R$ 110 mil, mas dono preferiu não vender. Voyage saiu por R$ 16 mil
A grande atração da noite, porém, foi um Ford Thunderbird da década de 60 de cor rosa, arrematada por um alto executivo de uma montadora sul coreana no Brasil. Ele arrematou o belíssimo conversível por nada menos do que R$ 380 mil. Minutos antes, ele já havia comprado um Pontiac da década de 70 por R$ 112 mil. Saiu do Leilão aplaudido e só não foi o dono da noite, pois mais tarde uma Ferrari 365 GTB sairia por R$ 400 mil. Se ambos valem isso? Talvez um pouco menos, mas não importa, pois em Araxá, os compradores pagam o carro e também a empolgação. E essa segunda custa caro. Muito caro.

Puma 1978 foi o carro mais rodeado na passarela, mas não foi vendido por diferença de R$ 2 mil
Fonte: Autoesporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Outras Matérias:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...