quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Tamanho é documento entre as motocicletas.

Tamanho é documento entre as motocicletasVersatilidade faz modelos de tamanho intermediário ganharem espaço no line-up das marcas. As questões de espaço nas grandes cidades não afetam apenas automóveis. No mundo das motocicletas, o aperto acontece por causa do trânsito cada vez mais travado e caótico. Assim, modelos como os de 800 cm³, ainda que não sejam pequenos, têm ganhado importância no mercado mundial. (VEJA FOTOS)Comparadas às motos topo de linha, em geral  de 1.200 cm³, elas são mais baratas, mais fáceis de manejar e mais ágeis para serpentear entre os carros. Tanto é que no Salão de Milão de 2012, realizado de 13 a 18 de novembro, o principal evento do gênero do mundo, três dos principais lançamentos eram exatamente de motos de 800 cilindradas. A BMW apostou na sport tourer F800 GT, enquanto as italianas Ducati e MV Agusta arriscaram com a nova geração da Hypermotard e a bela Rivale, respectivamente. As três apostam nos conjuntos mecânicos modernos e no tamanho relativamente compacto. A ideia é unir conforto, boa dinâmica e praticidade.

A proposta da marca alemã foi usar a base que tinha para criar a nova F800 GT. Para isso, pegou tanto a plataforma como o motor da atual linha F800 a adaptou às necessidades de uma sport tourer. A F800 GT vem para substituir a F800 ST, que estava em produção desde 2006. Em relação à antecessora, o propulsor de 798 cc ficou 5 cv mais forte e manteve o torque. No total, ela desenvolve 90 cv a 8 mil rpm e 8,7 kgfm a 5.800 rpm. Com 213 kg no total, a F800 GT acelera de zero a 100 km/h em 4 segundos e supera 200 km/h.

O visual do novo modelo é derivado das maiores sport tourer da gama da BMW, como a K1600 GT. O farol é “espremido” pelas carenagens laterais, que dão suporte aos espelhos retrovisores e se unem ao parabrisa em bolha para proteger o piloto. Logo abaixo, duas aletas cobrem a lateral do motor. O tanque tem encaixe para as pernas do condutor e o banco em dois níveis dá suporte à lombar do piloto. A saída de escape é “emprestada” da F800 R, moto que a BMW considera ser mais esportiva. Por sinal, por usar a mesma base da F800 R e F800 GS, ambas fabricadas em Manaus, é quase certo que a GT seja produzida por aqui.

Já a Ducati optou por uma aposta dupla. A fabricante italiana fez uma ampla renovação na Hypermotard e ainda aproveitou para lançar uma versão nova com maiores capacidades de touring, a Hyperstrada. De acordo com a Ducati, o chassi em treliça é todo novo e tem um subframe posterior feito em alumínio. 
O motor é inédito. Sai de linha o de 796 cc e entra um novo V-Twin de 821 cc com refrigeração líquida. Não houve mudança na potência máxima – 110 cv –, mas o torque é bem superior ao antigo. Para tornar a Hyperstrada mais amigável ao uso rodoviário, a Ducati equipou a moto com uma bolha, baús laterais, além de maiores para-lamas, apoio central e protetor de cárter. Todas as versões da Hypermotard vêm com o controle de tração com oito modos de atuação, ABS com três níveis e três mapeamentos diferentes para o motor.
Mas foi a MV Agusta que mais chamou atenção no evento italiano. A nova naked Rivale ganhou o título de moto mais bonita do Salão de Milão de 2012. Realmente, o design agressivo impressiona. O quadro em treliça fica aparente na lateral, enquanto a dianteira é cheia de “bicos”, como no farol e no para-lamas. Ainda na lateral, a carenagem vazada completa o visual. Na parte inferior traseira, destaque para as três saídas de escape, bem curtas e que acompanham a curvatura da roda. As lanternas traseiras, divididas em duas partes, são montadas no contorno das tampas laterais, abaixo do para-lama traseiro.
O conjunto agressivo é completado por um novo motor de três cilindros de 125 cv. O peso de 170 kg também contribui para um desempenho nervoso. As suspensões têm ajuste na pré-carga da mola, na compressão e no amortecimento hidráulico. A Rivale será vendida na Europa a partir do segundo semestre de 2013 com preço de 11 mil euros, algo em torno de R$ 30 mil. Apesar de ainda não ter a sua venda no Brasil confirmada, a Dafra, empresa brasileira que vende as motos italianas no Brasil, afirmou em Milão que pretende expandir as operações da MV Agusta por aqui.

FONTE:Rodrigo Machado/Auto Press

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Outras Matérias:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...