sábado, 8 de dezembro de 2012

Comparativo: Kawasaki Ninja 300 x Honda CBR 250R.

Lançamento da Kawasaki chega para tentar superar a líder Honda. Ninjinha mostra esportividade e CBR tem proposta mais versátil. Ter uma moto esportiva ainda pode ser um sonho distante para muitas pessoas, com modelos de alta cilindrada top de linha custando acima de R$ 50 mil. No entanto, a chegada das chamadas pequenas esportivas tornou o segmento mais acessível. (VEJA FOTOS DO COMPARATIVO)Uma das pioneiras deste nicho no Brasil, a Kawasaki Ninja 250R acaba de evoluir para Ninja 300, apresentada em meados de novembro e que chega às lojas neste mês, a partir de R$ 17.990. O G1 comparou o modelo com sua principal rival, a Honda CBR 250R, que custa R$ 16.490 na versão standard.

A Honda também foi lançada no país este ano, em maio, e já lidera as vendas deste nicho. Ambas possuem o mesmo estilo, porém, seguem caminhos opostos. Ninja e CBR 250R partem do conceito de contar com visual esportivo, similar ao das grandes “sport” das respectivas marcas, como Ninja ZX-10R e CBR 1000 RR. Mas, a partir daí, os projetos são bem diferentes. Enquanto a Honda busca versatilidade, a Ninjinha, modo como a moto da Kawasaki é habitualmente chamada no Brasil, possui pegada mais “racing”.
Esta já era uma das principais características da versão anterior da Ninja, que a Kawasaki manterá em vendas até junho de 2013, por R$ 13.990 – antes o valor cobrado era de R$ 15.550, mas as aptidões esportivas ficaram ainda mais latentes na 300. Além de visual totalmente novo, ela traz motor mais potente e adventos técnicos, como embreagem assistida e deslizante, que evita que a roda traseira derrape em reduções de marchas bruscas.
Tanto a Ninja quanto a rival possuem freios ABS como opcional, sendo que, na primeira, o item eleva o preço para R$ 19.990, enquanto a moto da Honda com este dispositivo sai por R$ 18.990. Segundo a Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores (Fenabrave), a CBR 250R vende cerca de 600 unidades/mês, enquanto a Ninja 250R, antiga best-seller deste nicho no Brasil, emplaca uma média de 250 unidades por mês em 2012.

Ainda correm por fora nesta disputa a Kasinski Comet GT 250R (R$ 14.990) e a Dafra Roadwin 250 (R$ 11.490), que não trazem ABS nem como opcional e apresentam vendas mais tímidas. Enquanto a Kasinski é a que está há mais tempo no mercado brasileiro, com média de 200 unidades/mês, a Roadwin, produzida pela sul-coreana Daelin, também chegou ao Brasil em 2012, e ainda não aparece no ranking da Fenabrave.Comparativo Kawasaki Ninja 300 Honda CBR 250R (Foto: G1)
Motores diferentes
O local escolhido para avaliar CBR 250R e Ninja 300, ambas nas versões sem ABS, foi um circuito fechado, em Piracicaba, no interior de São Paulo. Com subidas e descidas, curvas de alta e de baixa velocidade, o terreno foi ideal para notar os distintos funcionamentos dos motores. A principal diferença entre os modelos vem exatamente daí: enquanto a CBR utiliza um motor monocilíndrico (1 pistão), a Ninjinha é equipada com propulsor bicilíndrico (2 pistões).
Honda CBR 250R e Kawasaki Ninja 300 (Foto: Rafael Munhoz/G1)Honda CBR 250R e Kawasaki Ninja 300
(Foto: Rafael Munhoz/G1)
Ambos são 4 tempos equipados com refrigeração líquida e injeção eletrônica. A Honda prioriza a força em baixas rotações, com 26,4 cavalos de potência e 2,34 kgm de torque, enquanto a Kawasaki “fala mais” em altas rotações, gerando 39 cv e 2,8 kgfm de torque – veja detalhes nas fichas técnicas.
Na prática, a nova geração da Ninja ganhou importantes pontos em rendimento, comparada à sua antecessora.
O novo motor de 296 cm³ da Ninja 300 rende 39 cavalos de potência, antes eram 33 cv na Ninja 250R. Apesar da cavalaria ter crescido, o ganho mais sentido na pista foi o torque maior; a Ninja 250R tinha 2,24 kgfm de torque, enquanto o novo modelo apresenta 2,8 kgfm. Com este advento, houve melhoria no desempenho em baixos e médios giros, uma das principais reclamações dos antigos usuários.
Mesmo melhorando neste sentido, a vivacidade do motor ainda é nos altos giros. Em contrapartida, o “mono” da CBR garante mais tração em baixas rotações, além de não pedir trocas de marchas a todo instante, como ocorre na Ninjinha . Porém, à medida que a aceleração e velocidade aumentam, a Kawasaki mostra mais energia.
Motor da Ninja requer mais aceleração e exige mais habilidade do piloto (Foto: Rafael Munhoz/G1)
Kawasaki Ninja 300 (Foto: Rafael Munhoz/G1) O bicilíndrico da Ninjinha é mais linear e muito divertido e, apesar de exigir mais habilidade do motociclista, que tem de manter sempre os giros lá em cima, traz mais emoção, especialmente na pista. A suavidade do motor permitiu à Kawasaki retirar as borrachas das pedaleiras que existiam na Ninja 250R, deixando-a mais invocada.
Já a Honda tem pedaleiras emborrachadas e seu motor vibra mais, além de perder rendimento em altas rotações. Nitidamente, ele tem como prioridade um consumo mais baixo de combustível, o que deve compensar o tanque menor da Honda (13 litros) frente ao da Kawasaki (17 litros).
Propulsor da CBR é mais 'domável' e prioriza consumo mais baixo de combustível
(Foto: Rafael Munhoz/G1)
honda cbr 250r (Foto: Rafael Munhoz/G1) Apesar de as marcas não divulgarem a média de consumo, é possível supor mais economia de combustível na CBR, já que a Ninja faz você ter que (e querer) acelerar mais para utilizar melhor o motor. Para evitar um gasto exagerado de combustível, a Ninjinha apresenta no painel um sinal de aviso “ECO”, que indica ao piloto quando está com o motor em uma faixa de rotações mais econômica.
Conjuntos acertados
Tirando as diferenças de conceito e funcionamento dos motores, as motos têm comportamentos mais próximos no restante dos quesitos. Ambas tem comportamento bem sólido, com chassis adequados às pretensões, mas sempre com a Ninja buscando mais esportividade, enquanto a CBR 250R é mais versátil. Apesar de serem motos de entrada, contam com dispositivos antes encontrados apenas em motos maiores.

Freios ABS são opcionais em ambas, mas a Honda tem o sistema de frenagem combinada que reparte a força entre o os eixos dianteiro e traseiro. As motos avaliadas não tinham o dispositivo, mas o G1 já rodou com a CBR 250R C-ABS e avaliou que o sistema funciona bem e, mesmo em frenagens mais bruscas, não deixa as rodas travarem e mantém a moto estável.

Em relação ao conjunto de freios, as motos têm pacotes similares e efetivos, com discos simples na dianteira e na traseira. Tanto na Ninja como na CBR, estão bem dimensionados para as motos. No entanto, foi notado um pouco mais de contundência no equipamento da Kawasaki, que, em vez de discos redondos, conta com os do tipo “margarida” – os recortes os deixam mais leves.
Kawasaki Ninja 300 (Foto: Rafael Munhoz/G1)
Kawasaki Ninja 300 (Foto: Rafael Munhoz/G1) Ainda sobre as reduções de velocidade, a embreagem deslizante da Ninja minimiza o freio motor e evita que a roda traseira trave. Na pista, a efetividade do sistema ficou nítida: enquanto na Kawasaki era possível fazer as reduções de marchas sem se preocupar nos finais de reta, com a Honda era necessário ter mais cuidado. A embreagem assistida, sistema hidráulico que deixa seu acionamento 25% mais leve, informa a Kawasaki, tem bom efeito, mas o acionamento na Honda também é bastante macio.

No caso das suspensões, a Honda mostrou mais conforto ao passar por pisos irregulares, ao passo que a Ninjinha tem firmeza extra para curvas mais velozes. Em parte, isso ocorre pelo curso da suspensão dianteira da CBR, que é mais longo que o da rival.
Honda CBR 250R (Foto: Rafael Munhoz/G1)Honda CBR 250R (Foto: Rafael Munhoz/G1)
Comparada à geração anterior, houve uma melhora na Kawasaki, que se mostrou mais aprazível na condução em trechos esburacados. Além da suspensão mais agradáveis, a Honda também leva sutil vantagem, em termos de ergonomia. Braços e pernas ficam mais relaxados, quando se está conduzindo a CBR 250R.
Já a Ninja 300 manteve-se praticamente inalterada em relação à da sua antecessora: nela, o piloto fica em posicionamento mais agressivo. A 300 faz você cansar mais rápido, mas está longe do desconforto de uma superesportiva.

Divertidas, porém caras
Na pista de testes foi possível comprovar que os dois modelos realmente atendem à proposta de serem motos esportivas de entrada. Elas possuem visual agradável e chamativo, e podem ser confundidas com motos de maior cilindrada, principalmente a Ninja 300. O acabamento é justo e, apesar da pretensão de superesportivas, também simples. Ao olhar os comandos nos punhos fica claro que falamos de motos de entrada.

Ajustes para manetes de embreagem e freio dianteiro não estão presentes nos modelos, o que deixa um pouco a desejar por suas aspirações “racing”, porém, vale ressaltar que a regulagem padrão é boa. Cada uma à sua maneira, ambas as motos garantem boa diversão ao piloto, mas estão caras, principalmente a Ninjinha. No entanto, se beneficiam da falta de opções de motos de média cilindrada no país na faixa entre R$ 13 mil e R$ 20 mil.
No momento, a Ninja 300 é montada em Manaus, na fábrica da Kawasaki, e suas peças chegam da Tailândia. O país asiático é o mesmo local de origem da CBR, porém, o modelo já vem montado de lá. Durante seu lançamento, a Honda não escondeu que pode nacionalizar a CBR 250R. Isso poderia trazer mais competividade e menor preço ao produto, que acaba de aumentar em R$ 1 mil na versão standard. Uma possível CBR mais barata talvez obrigue a Ninja a ter seu preço reduzido.

Apesar de a Kawasaki não confirmar, quando os estoques da Ninja 250R se esgotarem, existe a possibilidade de a 300 ficar mais barata, já que enquanto elas coexistem preços mais próximos poderiam gerar “canibalização”.

Como é tradicional em sua linha, a representante da Honda tem comportamento mais contido e sua versatilidade é superior a da Ninja. Para ser a moto do dia a dia tem um custo benefício-melhor e é ideal para motociclistas mais novatos.

No entanto, em questão de desempenho a Kawasaki Ninja 300 bate a rival e a cavalaria extra do motor faz toda a diferença. A presença do slipper-clutch, ou embreagem deslizante, a faz estar em um nível a cima. Na cidade o dispositivo pode não fazer diferença, mas para uma pilotagem mais radical é uma boa pedida. Apesar de cara, pode ser a porta de entrada para o mundo das esportivas e supera a Honda no comparativo.

Para ler mais notícias do AutoEsporte, clique em g1.globo.com/carros. Siga também o AutoEsporte no Facebook, no Twitter e por RSS.
Honda CBR 250R e Kawasaki Ninja 300 (Foto: Rafael Munhoz/G1)Honda CBR 250R e Kawasaki Ninja 300 (Foto: Rafael Munhoz/G1)
FONTE: AUTOESPORTE/Rafael Miotto e Rodrigo Mora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Outras Matérias:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...